quarta-feira, fevereiro 18, 2009

Cardeal diz que casal gay não tem condições para educar crianças.

"O cardeal D. José Saraiva Martins afirmou terça-feira à noite, na Figueira da Foz, que o casamento entre homossexuais não providencia uma educação normal a crianças a quem falta um pai e uma mãe."
http://diario.iol.pt/sociedade/igreja-homossexualidade-figueira-da-foz-casino-d-jose-saraiva-martins/1043542-4071.html


Perante esta afirmação, há duas alternativas.

Uma, concordar com o cardeal, visto que um casal gay pode ser composto por duas mulheres ou por dois homens, segundo a visão do senhor cardeal, estes casais não têm condições para educar crianças, talvez pelo facto de as crianças ter presente no casal o oposto, o macho e a fêmea, então o estado português com a sua autoridade deve fechar imediatamente e sem apelo nem agravo, sem possibilidade de recurso, todos os colégios de freiras e de padres, todos os seminários e orfanatos católicos, visto que nesses lugares não existe apenas dois homens ou duas mulheres, a educar crianças, existem muitos homens juntos e muitas mulheres juntas, pela mesma ordem de razão, o problema que o senhor cardeal levanta com o educar de crianças pelos casais gay é o mesmo que existe em muitos institutos católicos.

A outra alternativa é discordar do cardeal. Um casal gay tem as mesmas condições de educar bem uma criança como um casal heterossexual, desde que se tome as mesmas precauções e avaliações para ambos os casos. Então, devia-se tomar as mesmíssimas precauções e avaliações, quando se entrega crianças aos institutos católicos, mas na realidade não se faz nada, o estado português confia cegamente nesses institutos, não há um estudo psicológico, social, sexual, psiquiátrico, aos padres e freiras, que lidam com as crianças.

...

2 comentários:

Cris disse...

Concordo contigo nesta primeira 'alternativa'.
De facto, sempre me fez confusão como é que um homem, qualquer padre, que nunca casou (ou já não pode estar casado) pode celebrar um casamento e, dar conselhos sobre o casamento, matrimónio e vida conjugal...
Será uma realidade que ele nunca experimentou (ou já não experencia) mas que tem autoridade para dar orientação...
No caso dos colégios, seminários, etc., faltará sempre uma figura - ou a masculina ou a feminina...
...ainda que seja tudo feito com a maior das boas-vontades!

Anónimo disse...

Oculta diz...
A opção sexual não tira de forma alguma os valores morais de uma pessoa. Toda e qualquer pessoa tem sim condições de educar crianças, na maioria das vezes melhor que certas pessoas.
O que vale é o amor,carinho, respeito, etc.
Cuidado cardeal! Isso é preconceito